terça-feira, maio 29, 2007

amar de odiar


há momentos em que o amor é sobremaneira sublime que esgota a sua paixão em um intempestivo ódio involuntário de esmigalhar de amar.

7 comentários:

mari disse...

EXPLICANDO A OBNUBILADA FOTOGRAFIA

amo o defeituoso. acho que já comentei isso com a minha amiga de terra santa, a maçã verde, de vários pomares atrás. mas o fato é que essas fotografias, essas todas daqui, das quais muitos sócios do evil club devem fatalmente pensar: "bah, mas a resolução dessa fotim é uma bruteza de estilo"; sim, sim - martelinhos de cachaça sem filtragem num inverno eteeerno. há algumas nuvens, é inegável, mas enfim, eu gosto das minorias, dos pés dos bailarinos, dos mendigos, dos lixeiros, dos negros, dos judeus, dos krishna, e, conseqüentemente das máquinas Love.
portanto, não me venham com alhos e bugalhos, ou subtle mockerins de que há uma baixa resolução no meu rgb, porque é disso mesmo que eu gosto ao ponto de penhor.

ou não falei para vocês ainda?

pobre gosta de luxo. farsante intelectual é que gosta de pobreza.

:P

Daiane disse...

Primeiro: sério que tu ainda tem uma máquina Love??? Quéaaréé!!
Segundo: Esse teu comentário tá tão bem feito que deveria ser um post!!

priscila mendes disse...

cara, que fofo isso!

Anônimo disse...

Pois, é, Dona Maiana,
quando a gente consegue se livrar, ao menos por momentos, do "Programa" (ou do programado) e nos abandonamos à esquecida pureza original, um borbotão de ternura nos engolfa, sobretudo pelo que é pequeno, pelo que é frágil, suave e inteiro. Tuas palavras são fiéis e ... "bonita foto, Fernanadinho".

Um abraço da

Véia do Bonfa

Leonardo disse...

Há algo nosso de perdido no ser de um felino

De resto é o que eu sempre digo: quantos gênios ignorados nesse país de Paulos Coelhos e outros cogumelos ambulantes...

Mas se pra tomar o chá das quintas é preciso deixar o cérebro na entrada então viva teu inesgotavelmente criativo anonimato minha querida Mari!

bjos

Anônimo disse...

agora sim....



com love ou sem love, tua foto tem amor...
era isso que queria dizer, imperfeita na palsticidade talvez, e super hiper perfeita na tradução do sentimento


amote
tu eterna maçaverde ( sim continuo bem verde e azeda!)

hahahhaha

mari disse...

agradeço a todos, Daiane, Véia do Bonfa, Leonardo, Anonymous da Vida, Maçã Verde- eterna Maçã do afã, pelas visitas e, claro, pelo constante incentivo a que todos me impulsionam - meus velhos e novos comparsas, nessa verdadeira deliciosa perda de tempo do blogspot.
bem, na verdade, não possuo uma máquina Love propriamente - possuo uma web cam ferrada às turras, mas, como uma boa visionária sem modéstia, a tenho como uma máquina dos deuses, programada para fazer pura arte do primeiro dispare ao shot infinitesimal... (ilusão, ilusão a que me tens de progresso...).

talvez, com o tempo, passe a utilizar um eternizante poderio bélico maior, mas isso é uma outra história para uma outra etapa de vida.

afinal, a fixidez de meus gostos são tatuagens que por ora imprescindem ser esvanescidas; entretanto, a pele é abusivamente intolerável ao laser...