quinta-feira, maio 04, 2006

o medo

o medo quando nos acompanha, pode roubar oportunidades. por ele, dilaceram-se alguns dos verdadeiros amores da vida. o medo é o guarda de trânsito que por acaso foi apitar no asfalto, quando na verdade, era pra ser aviador. sua frustração transforma-se em um autoritarismo desviador de espírito pra rotas outras.
ele existe como um audacioso rei dos ácaros e faz uso capião no velho carpete que tão cedo não será trocado.
o medo começa mais ou menos como uma repetição de um pensamento negativo que por má-programação do axônio, perde-se no labirinto da cabeça. depois de o medo se perder, Ele, por ser o medo, tem medo de pegar outra rota, então, começa a fazer sempre o mesmo caminho nos sulcos dos neurônios, tornando real o que era pra ser apenas um lapso do mal.
o medo cava buraco no cérebro tal qual assoalho gasto de patrimônio público. e não adianta chamar s.o.s-sinteco. sinteco novo não dura onde tem muitos pés. pode testar. é mesma coisa que nada. o medo é como um hóspede bandido fugitivo, que faz as malas da hospedaria por medo de sirene da ambulância. o medo é bem medroso. o medo só pode ser pego com algemas especiais - as da consciência.
e não é que o danado é como raça de bandido mesmo?
depois de capturado sempre tem um outro rondar por aí.

7 comentários:

Fred Neumann disse...

Um post pode estar recheado de medo. Medo de não ser comentado, e ser largado até descer o blog todo, até sumir.
Ou o medo pode ir embora, fazendo do post um carro.
Ao colocar o combustível dos recados, ele se multiplica, e pode até voltar mais cedo do que se imagina.

hehehe!

Até mais!

Fred Neumann
http://fredneumann.blogspot.com
Poesia nova quase todo dia.
Ou o que surgir na cabeça

Minuano disse...

Mariana, obrigado pelos versos proseados, belo presente sem dúvida... tão inesperado quanto imerecido.

Estranho como todo mundo gosta do jaspion não morreu... deve ser por causa do brilho fulminante que sai da "wakizashi"...

priscila mendes disse...

eu gosto porque tem um ar de poesia no ar. as figuras de linguagem são licorzinhos após o jantar.
cada vez melhor amiga loca!

'Thought & Humor' disse...

.
We work like a horse.
We eat like a pig.
We like to play chicken.
You can get someone's goat.
We can be as slippery as a snake.
We get dog tired.
We can be as quiet as a mouse.
We can be as quick as a cat.
Some of us are as strong as an ox.
People try to buffalo others.
Some are as ugly as a toad.
We can be as gentle as a lamb.
Sometimes we are as happy as a lark.
Some of us drink like a fish.
We can be as proud as a peacock.
A few of us are as hairy as a gorilla.
You can get a frog in your throat.
We can be a lone wolf.
But I'm having a whale of a time!

You have a riveting web log
and undoubtedly must have
atypical & quiescent potential
for your intended readership.
May I suggest that you do
everything in your power to
honor your encyclopedic/omniscient
Designer/Architect as well
as your revering audience.
As soon as we acknowledge
this Supreme Designer/Architect,
Who has erected the beauteous
fabric of the universe, our minds
must necessarily be ravished with
wonder at this infinate goodness,
wisdom and power.

Please remember to never
restrict anyone's opportunities
for ascertaining uninterrupted
existence for their quintessence.

There is a time for everything,
a season for every activity
under heaven. A time to be
born and a time to die. A
time to plant and a time to
harvest. A time to kill and
a time to heal. A time to
tear down and a time to
rebuild. A time to cry and
a time to laugh. A time to
grieve and a time to dance.
A time to scatter stones
and a time to gather stones.
A time to embrace and a
time to turn away. A time to
search and a time to lose.
A time to keep and a time to
throw away. A time to tear
and a time to mend. A time
to be quiet and a time to
speak up. A time to love
and a time to hate. A time
for war and a time for peace.

Best wishes for continued ascendancy,
Dr. Whoami


P.S. One thing of which I am sure is
that the common culture of my youth
is gone for good. It was hollowed out
by the rise of ethnic "identity politics,"
then splintered beyond hope of repair
by the emergence of the web-based
technologies that so maximized and
facilitated cultural choice as to make
the broad-based offerings of the old
mass media look bland and unchallenging
by comparison."

Anônimo disse...

I really enjoyed looking at your site, I found it very helpful indeed, keep up the good work.
»

Anônimo disse...

Super color scheme, I like it! Good job. Go on.
»

Anônimo disse...

I find some information here.