quarta-feira, maio 24, 2006

notívagos olhos teus


bom dia, morcego. já é hora de dormir. o ar matutino começa a enrigecer as tuas asas e obstruir o sonar. e quando a aurora rompes, são as fendas das cavernas que estão estreitas para entrar.
não mais à mesma colônia pertences, e teu segredo, é que buscas outra a cada troca de luar. eu sei. eu sei desde um tempo em que voava rasteiro sob a lua. mas mudei o eu voando o breu. o escuro e as asas implumes no inverno não mais em mim estão. agora o tudo de antes são penas de um livre colibri tropical. não mais vejo estrelas e corpos celestes empoeirados. nuvens fofas e deslizes por sobre o mar é a nova vida. meu mundo novo, nem melhor nem pior - apenas distante das corujas.

apartados foram os amigos-cúmplices por serem espécimes de morcegos inimigos. foi feitiço. feitiço forte de muralha protetora da terra santa. a vontade de voar juntos resiste, agora atravessada por um muro. um murro no muro - eles ainda querem voar juntos. e voam - na distância das vidas paralelas, quando um é sol, o outro é lua. mas ainda estão juntos. encontram-se a cada novilúnio, em breves intervalos do amanhecer. porém, o súbito descompasso das asas não deixa prosseguir a cadência. o morcego tem as vistas feridas pelos raios vindos da quinta grandeza estrelar e, cada vez mais, é difícil continuar o breve encontro no ar que espalha o ar.
o pássaro empresta-lhe, então, um dos seus olhos para que juntos possam ver a aurora nascer no mar. um novo panorama da vida preenche a retina do morcego e, ao vislumbrarem juntos o bravio atlântico, o colibri entôa a voz:

- não seduz nem consola essa inércia abandonada - o alembrar das coisas tantas lá de trás, ou ver o agora de nós - o brando sossego, enquanto as árvores crescem, as águas correm e as vidas nossas simplesmente passam sem chegar. assim vivemos. assim estamos - num estar separados juntos.
bom dia, morcego. já está quase na hora de dormir. aqui é o outro mundo onde teus olhos notívagos necessitam de acalento às pressas com compressas de romã. não existem româs onde o atlântico vem banhar. quero entoar um cântico com voz de fada que exale um hálito balsâmico e, ao cantar, atenue o emaranhado de pensamentos noturnos nascidos na caverna fria que deixaste. mas não há tempo para cantorias. não há. ela ficará apenas na vontade. já está quase na hora de te ir. deixo-te. vôa pra lá, só não esqueça: eu falo a tua língua, mas aqui é difícil de entender. as cortantes ondas sonoras de ti são como fios de lã de escondidas pontas enleadas. me diz, me diz como, como então desenlear? se não há tempo!
agora é tarde, morcego. não há nada que se possa fazer. vai-te.
bom dia, amor cego, agora é hora de dormir.

10 comentários:

priscila mendes disse...

poxa, marica, que legal esse texto!

sanny disse...

Adoro viajar nos textos q vc escreve...

sanny disse...

Adoro viajar nos textos q vc escreve...

renato meireles disse...

putssssss
tu sabe né, que tu escreve bem?

andrechilipepper disse...

o amor é lindo!!!!!!

Minuano disse...

Satan Speaks

I am Nature, the Mighty Mother,
I am the law: ye have none other.

I am the flower and the dewdrop fresh,
I am the lust in your itching flesh.

I am the battle's filth and strain,
I am the widow's empty pain.

I am the sea to smother your breath,
I am the bomb, the falling death.

I am the fact and the crushing reason
To thwart your fantasy's new-born treason.

I am the spider making her net,
I am the beast with jaws blood-wet.

I am a wolf that follows the sun
And I will catch him ere day be done.

Anônimo disse...

Hallo I absolutely adore your site. You have beautiful graphics I have ever seen.
»

Anônimo disse...

This site is one of the best I have ever seen, wish I had one like this.
»

Anônimo disse...

I find some information here.

Anônimo disse...

Looks nice! Awesome content. Good job guys.
»