sexta-feira, setembro 21, 2007

explicação A sides

dando continuidade a esfarrapada desculpa da postagem abaixo, cumpro falar do A sides, bravata das minhas migalhas de inspiração, anteriormente prometida.



tia, por que não posso comentar?







resolvi ser ditadora, acredita?
uma cegueira! uma febre tersã, uma sede insana de poder assomou-me à boca, da boca às teclas e, de chofre, sem mais tardar, a têmpera nata de um Nero se fez por cá, - as pessoas só comentam se eu quiser, quando eu quiser e acaaaaso forem consumidoras do laboratório Epifzer. e, ainda assim...



tudo depende.



depende do coooosmos.


dos moooscos.



e dos moços

dos moços bonitos que caminham e olham quando há que, ou



se há que.





e, se assim o for, deixo livre o comentar.




piu. piu. piu. piu. piu. piu e viva a prima Pio Bella vera!

3 comentários:

Anônimo disse...

naturalmente o leitor deve se perguntar porque, vez ou outra, desdenho de meus próprios escritos;
mas, não sabe ele o cadafalso obscuro que é a cobrança constante de levar adiante a casca nem sempre cômoda do caracol de idéias que, ora podem verter em profusão assombrosa, ou cristalizar-se em um não-sei-onde que eu-preciso-saber.

impossível manter-se inspirada o tempo inteiro; então, sem mais sofrimentos, perdas de unhas ou nacos de bife de canto de boca ansiosa por falar pelo silêncio mágico das palavras, aciono o mecanismo de defesa mais atávico,- o famoso botão do "foda-se"- inventando qualquer coisa, algum sopro; algum sinal,- ei! ei! eu estou aqui, ó!; um remendo malogrado; um bolo de arroz nem que seja das sobras d´ontonti, apenas para poder continuar seguindo o arrasta-pé no baile das letras que vêm do coração, mesmo quando pensas que não.

agora vocês sabem. é isso. é vontade famélica de *littera, a mais bela cortesã do pensamento.



mn




*letra [do lat. littera.]

Guilherme disse...

Eu até queria acompanhar teus pensamentos em tantas linhas. Mas de uns tempos pra cá me contento em escorregar pelo texto até o fim, aproveitando as frases a sós. De vez em quando até emendo um parágrafo inteiro, que alegria!

São desafios, intenções não me faltam.

(esse comentário era pra ficar no post mais recente, mas certa ditadora dificultou as coisas)

Anônimo disse...

ai, meu deus, quem é esse Guilherme?




mn